• Via di San Gallicano, Rome, Italy
  • (39) 06 8992225
  • dream@santegidio.org

Category Page: Mozambico

Distinguida pela harmonia inter-religiosa no seu trabalho

CAPITAL Magazine (Moçambique)

A médica moçambicana, Noorjehan Magid, responsável clinica do programa DREAM de combate à SIDA da comunidade Sant’Egidio em Moçambique, foi distinguida na Alemanha com o Prémio Klaus-Hemmerle 2016 pela luta que trava contra a SIDA em Moçambique.

 

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail

Um novo laboratório de biologia molecular em Chokwe, Moçambique

160312 Chokwe 05

No dia 12 de Março, foi inaugurado, na presença da Ministra da Saúde, o novo laboratório de biologia molecular de Chokwe, ligado ao centro DREAM gerido pelas Filhas da Caridade (FDLC).
O centro DREAM de Chokwe tem uma história muito longa de tratamento de doentes de SIDA no Sul de Moçambique; graças à Comunidade de Santo Egídio foi um dos primeiros hospitais no país a tratar os pacientes com os anti-retrovirais numa zona com a mais elevada prevalência do vírus do HIV e hoje, tem sob tratamento mais de 9000 pacientes.
Foi muito clara a Irmã Maria Elisa, médico, que no seu discurso, recordou os primeiros anos de 2000 quando via apenas os seus pacientes internados por tuberculose a morrerem, que não se curavam apesar dos tratamentos antituberculosos: “começámos a fazer, nestes pacientes, o teste do HIV e descobrimos que para os poder salvar, precisávamos de tratamentos mais eficazes; apenas o tratamento antituberculoso já não era suficiente. Naquela época, não tínhamos nada contra o HIV: apenas comprimidos de batata africana”. E foi assim que as Filhas da Caridade se associaram ao Programa DREAM da Comunidade de Santo Egídio em 2002, numa aliança que, sucessivamente, envolveu vários países em África e que, até hoje, salvou milhares de vidas.
160312 Chokwe 12Na inauguração, estava presente a responsável pelas FDLC, a Irmã Catherine, que recordou como a excelência de DREAM foi sempre um estímulo para procurar os tratamentos e o diagnóstico de alto nível para os pacientes e procurar um sistema de saúde que pudesse responder à demanda de tratamento de muitos doentes.
Por isso, nasceu o desejo de um grande laboratório, de altíssimo nível, que pudesse ser de referência para todo o país no diagnóstico avançado contra a Tuberculose, a SIDA e muitas outras patologias.
As palavras da Ministra da Saúde Nazira foram de agradecimento, mas também de grande estima pelo trabalho realizado ao longo destes anos em prol dos pacientes e do país. Esta bela aliança entre as FDLC , DREAM e o Ministério da Saúde é a resposta justa contra os desafios das pandemias em curso e precisamos cada vez mais de lutar juntos para as vencer.

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail

Visita do Alto representante da União Europeia Federica Mogherini à Comunidade de Santo Egídio em Maputo

Realizou-se ontem, a visita oficial à Comunidade de Santo Egídio de Federica Mogherini ao centro DREAM “para a criança” no centro de Maputo. O Alto representante passou cerca de uma hora com os médicos, os pacientes e as crianças, fez muitas perguntas e ouviu a todos. Acolhida com uma dança tradicional das activistas de DREAM, agradeceu a Comunidade de Santo Egídio pelo trabalho em prol da paz e realçou como DREAM seja luta pelos direitos, em particular das mulheres. A seguir, visitou o centro DREAM e o laboratório de biologia molecular para terminar a visita com um encontro juntamente com os responsáveis de DREAM e de BRAVO em Moçambique, na presença do embaixador italiano em Moçambique e do representante UNICEF no país. Direitos, mulheres e paz no centro do encontro, temas em prol dos quais Santo Egídio trabalha há anos em Moçambique com DREAM, BRAVO e o trabalho a favor da paz.

 

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail

A história com um final feliz de um menino de rua

Publicamos a história do Francisco, tal como nos contaram a Josefa, a Júlia, a Fátima e a Odete, activistas do centro nutricional DREAM da Comunidade de Santo Egídio da Beira, em Moçambique.

DSC09376“Conhecemos o Francisco* em Junho de 2015 quando ainda era um menino de rua e no centro nutricional da Beira começámos a acolher as crianças e os adolescentes que viviam nas praças do centro da cidade.
A rua é uma realidade muito dura para demasiadas crianças na Beira: quando ficam sem família, muitas vezes são abandonadas a si mesmas e deambulam pelas ruas mal vestidos, cheios de fome e expostos a todo o perigo. Questionámo-nos sobre o que poderíamos fazer por eles e, assim, começámos a dar-lhes a possibilidade de tomarem banho, mudarem de roupa e comerem uma refeição completa. Não foi fácil porque a vida da rua endurece e torna desconfiadas até mesmo as crianças, mas a ternura e o senso materno acabou por conquistá-las. Tudo começou com um boca a boca e o centro nutricional tornou-se cada vez mais numa casa e num ponto de referência que acolhe e ajuda mas, sobretudo, que escuta e acompanha nos momentos difíceis.
Nalguns casos, até conseguimos reencontrar a família de origem e a tirar os meninos da rua.
O Francisco é um deles e a sua história merece de ser contada. Nasceu na localidade de Nhamatanda na província de Sofala; eram sete em casa: duas irmãs mais velhas, dois irmãos, Francisco e a mãe e o pai. Como muitas vezes acontece em África, os mais novos ficam bem cedo órfãos de mãe e o pai, incapaz de acudir as crianças procura algum parente a quem confiá-las; no fim, acabou por deixar as duas meninas a uma tia de Nahmatanda, mas abandona os rapazes, certo que eles desenrascar-se-iam sozinhos. Assim, abandona os três rapazes em três diferentes cidades da província.
O Francisco tinha 7 anos e ainda recorda muito bem aquele momento terrível: ele e o pai que chegam à noite na praça principal, ele que se sente perdido e assustado numa cidade grande e desconhecida como a Beira e o pai que lhe diz para esperar o seu regresso e que se vai embora. Após cinco anos, quando o conhecemos, Francisco tinha 12 anos e nunca mais voltou a ver o pai nem os irmãos.
Cinco anos nas ruas da Beira são muitos, cada dia é uma incógnita, vagueias pela cidade, procuras alguma coisa para comer, pedes esmola aos transeuntes, mas é uma luta diária e o Francisco conseguiu vencê-la todos os dias durante 5 anos.
No entanto, em finais de 2015 acontece algo de inesperado que levará o Francisco para casa.
Beira, Centro polivalenteAo longo dos anos, o Francisco faz amizade com os outros meninos de rua, pede esmola e há quem pare para falar também com ele; assim, conhece um rapaz de Nhamatanda, que está na Beira por um breve período. Quando este rapaz regressa a casa conta aos seus amigos de um menino originário precisamente de Nhamatanda que vive na miséria na Beira. A história circula de boca em boca e como nas pequenas aldeias todos se conhecem, a notícia chega aos ouvidos de uma das irmãs do Francisco que tinham ficado com a tia.
Apesar das dificuldades económicas para enfrentar a viagem e aventurar-se numa cidade desconhecida, a irmã decide partir para ir procurar esta criança para verificar se, por acaso, seria o irmão de quem se tinha perdido o rasto. É uma ténue esperança, mas não perde o ânimo e parte para o procurar.
Chegada à Beira apercebe-se, no entanto, que a cidade é grande e encontrar o Francisco não é simples; tenta informar-se, procura em todos os lados, mas não o encontra. Após três dias de buscas está para abandonar as esperanças, quando algumas pessoas lhe indicam o centro nutricional da Comunidade de Santo Egídio, pois ali, muitos meninos de rua têm uma refeição e um espaço acolhedor; porque não tentar perguntar-lhes?
Então, dirige-se imediatamente para o local que lhe foi indicado, entra e começa a contar-nos a sua história. Enquanto está a falar connosco o seu rosto muda de expressão, pára e chama: Francisco! O Francisco tinha acabado de chegar para almoçar, estava distraído, mas volta-se imediatamente e reconhece a irmã; já não era uma criança, mas era mesmo ela. É difícil descrever a comoção de todos ao verem os dois a abraçarem-se e apertarem-se entre as lágrimas e os sorrisos, mas felizes por se terem reencontrado após 5 anos.
Todos participámos nesta alegria no centro, porque o Francisco pôde regressar a Nhamatanda com a irmã e agora mora em casa com ela: já não é um menino de rua, mas um adolescente que vive com a sua família na sua aldeia.
Centro nutrizionale polivalente 2011, bambini cibo (1)A história do Francisco é uma história dura, o abandono marcou-o profundamente, mas o acolhimento do centro nutricional e a determinação da irmã, salvaram-no fisicamente e começaram a curar-lhe a alma. Agora, o Francisco e a irmã querem procurar os outros 2 irmãos de quem não sabem nada; nós continuamos a acudir e a ajudar como filhos os meninos de rua que nos procuram: mais de 40 entre meninos e adolescentes a quem também estamos a ensinar a ler e a escrever porque nunca nenhum deles frequentou uma escola. Mas a maior esperança é a de arrancar todos eles da rua e encontrar uma família que os possa acolher.”

 *  nome de fantasia

Il centro nutrizionale all'interno del centro Polivalente DREAM di Beira, Mozambico

Centro Polivalente DREAM. Beira, Moçambique

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail

Os activistas de DREAM com os idosos no Natal da Misericórdia

NataleMisericordiaMaputo00006

Maputo, Moçambique. Pouco fora do centro de Maputo em Lhanguene, adjacente ao hospital José Macamo, encontra-se o Instituto do Serviço Social da cidade. Único instituto público para idosos da capital moçambicana. Em dois pequenos edifícios separados por um pátio de cimento vivem cerca de trinta idosos, seja homens seja mulheres, pessoas num estado de extrema pobreza que encontram hospitalidade e sustento. O Instituto também tem a função de refúgio temporário para crianças de rua ou raparigas grávidas ou com bebés.

Os dias são longos, sobretudo para os idosos cegos ou acamados. Por esta razão, a Maria, a Beatriz, o Pedro, o Afonso e todos os outros hóspedes aguardam com ânsia as visitas das activistas de DREAM e dos Jovens pela Paz que periodicamente lhes levam afecto, companhia e alguma ajuda material.

O último dia do ano foi um momento especial porque, com as activistas, chegaram também as prendas: tecidos coloridos – capulanas -, lenços, pasta de dentes, sabonetes …. e giletes para os homens, cremes e perfumes para as mulheres.

As cores acesas das capulanas, o lanche e a festa emolduraram este momento de festa e de amizade: o Natal da Misericórdia continua e alcança muitos outros também nos lugares mais recônditos.

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail

Moçambique: DREAM 2.0 em Estaquinha para a saúde das mulheres com HIV

estaquinha_1

A saúde e a promoção da mulher é um dos principais objectivos do programa DREAM 2.0, com o qual a Comunidade de Santo Egídio realizou não só obras para melhorar a assistência sanitária, sobretudo, para as mulheres HIV positivas, como também tornou muitas delas protagonistas e insubstituíveis no counselling, no peer education e na luta ao estigma, com a força do testemunho e do papel delas na sociedade africana. No âmbito deste importante objectivo, desenvolveu-se ao longo destes últimos três anos e termina no próximo dia 31 de Outubro de 2015, o projecto “Saving HIV positive mothers in Mozambique” apoiado pelo programa Merck for Mothers. Entre os resultados mais importantes, encontra-se o avio das actividades de assistência técnica do programa DREAM no centro de saúde de Estaquinha, na província de Sofala.

Ao longo destes três anos, formaram-se mais de 600 médicos, enfermeiros, técnicos, biólogos moçambicanos para melhorar os serviços oferecidos a milhares de mulheres grávidas com HIV na área de Maputo, Matola e nas províncias de Sofala e Gaza.

Um dos desafios do projecto era o de envolver o mais possível os recursos humanos e os centros de tratamento e assistência do Serviço de Saúde Nacional Moçambicano, na óptica de responder às necessidades do pessoal de saúde em enfrentar a epidemia de HIV/SIDA e, em particular, a saúde materno-infantil. Para além dos 7 centros de tratamento de DREAM, foram envolvidas três maternidades públicas de Chalocuane, Macìa e Chicumbane.

No início de 2015, foi identificada uma quarta maternidade pública da província de Sofala, onde aviar um processo de integração entre serviços antes do nascimento, tratamentos materno-infantis e programa para a eliminação da transmissão do vírus HIV da mãe ao filho (EMTCT). O centro de saúde de Estaquinha encontra-se no distrito de Bùzi e é gerido pelo Ministério da Saúde Moçambicano e por uma associação chamada ESMABANA. Localizado a cerca de 180 km da cidade da Beira, o distrito hospeda cerca de 35.800 habitantes, estando a maior parte ocupada nos sectores da agricultura e da pesca. Também por causa da baixa taxa de alfabetização, há muitas gravidezes precoces e muitos casos de HIV, tuberculose e malária. Em 2014, nesta maternidade realizaram-se cerca de 1.350 partos. O novo plano do Governo Moçambicano para combater o HIV/SIDA prevê a realização de pontos de saúde onde, para além da assistência sanitária de base, são oferecidos, no mesmo lugar, também serviços para as pessoas que vivem com HIV/SIDA, com o fim de facilitar o acesso e ampliar a cobertura do tratamento anti-retroviral.estaquinha_2

Em Abril de 2015, como aconteceu para todos os outros centros envolvidos no projecto financiado pela Merck for Mothers, iniciaram as actividades de formação do pessoal que foram antecedidas por uma análise da necessidade formativa dos trabalhadores e pelo apetrechamento das salas destinadas ao EMTCT. Os principais temas estão ligados às linhas guia da OMS no que se refere às mulheres grávidas seropositivas, à utilização do programa de gestão dos pacientes e de recolha de dados DREAM_S e à abordagem integrada da Comunidade de S. Egídio a uma doença como o HIV (integração alimentar, monitorização diagnóstico de alta qualidade, apoio psico-social).

Em Agosto de 2015, iniciaram as actividades de tratamento com a supervisão técnica de um grupo proveniente do centro DREAM da Beira composto por clínicos e expert clients. Durante duas semanas, os supervisores seguiram as actividades de acolhimento das mulheres grávidas, dos testes e do counselling voluntário, do avio do programa EMTCT, da monitorização diagnóstico, da actividade para o controlo da aderência e da retention ao programa. Em dois meses e meio de actividade, foram testadas quase 300 mulheres e 34 entraram no programa EMTCT porque seropositivas.

Facebooktwitterpinterestlinkedinmail