Um novo modelo de Saúde Pública

O Programa DREAM adoptou uma abordagem inovadora 

para assegurar os máximos resultados com um custo mínimo. Um [tipso tip=”Referido sistema processa-se graças a uma rede difusa no território de centros clínicos de excelência para onde se dirigem pacientes provenientes de Day-Hospital de segundo nível situados em zonas mais periféricas e rurais; aqui, podem ser fornecidas prestações de saúde de nível intermédio, como o controlo e a distribuição de medicamentos e a realização de alguns tipos de análise. A isso acrescentam-se as “mobile clinics” e a assistência domiciliária que permitem a todos, mesmo nas aldeias mais perdidas, de aceder aos tratamentos”]sistema ligeiro[/tipso] baseado em pequenos centros de saúde espalhados pelos países, para alcançar também as áreas rurais e ir ao encontro de pacientes que, muitas vezes, têm problemas económicos e de transporte.

Deste modo, o sistema procura satisfazer as necessidades dos pacientes, através daquela [tipso tip=”O paciente africano é, muitas vezes, uma pessoa que precisa de ser educada à saúde; motivada a manter a adesão ao programa de tratamento, que deve ser reintegrada na sua família e no seu ambiente social. A este propósito, o papel da comunidade é crucial. O Programa valorizou e organizou uma atitude africana, criando uma comunidade de tratamento à volta do paciente. O centro de saúde é, pois, lugar de acolhimento onde o paciente é escutado e tem a possibilidade de falar; um espaço onde, ao lado das competências próprias de uma estrutura de saúde, se privilegiam a vida de relação e a reinserção social do doente”]abordagem holística[/tipso] que é essencial no contexto africano e que assegura elevadas taxas de retenção.

Além disso, todos os pacientes do programa participam em cursos de [tipso tip=”Todos os pacientes do programa participam a cursos de educação à saúde que ensinam a gerir muitos aspectos da vida, entre os quais a alimentação, a utilização da água potável, a higiene da pessoa, da casa, o cuidado dos filhos. Este património de conhecimentos faz do próprio paciente, por sua vez, um educador para a sua família e para o seu ambiente e permite-lhe uma compreensão mais profunda das causas e dos mecanismos das doenças o que o emancipa do medo. Além disso, em DREAM os doentes tornam-se protagonistas, optando por ajudar outros doentes e tornarem-se testemunhas desempenhando uma função insubstituível de apoio, aconselhamento, educação em pé de igualdade e luta contra o estigma”]educação à saúde[/tipso] que ensinam a gerir muitos aspectos da vida.

O precioso trabalho de educação à saúde com o envolvimento dos próprios doentes gera uma nova cultura: a SIDA já não é uma condenação à morte e é possível receber um tratamento. Além disso, os pacientes ficam cientes que o tratamento gratuito é um direito.

De facto, fundamento de DREAM é a [tipso tip=”No continente africano marcado pela presença de centenas de milhões de pessoas que vivem abaixo do limiar da pobreza absoluta, esta escolha pareceu-nos obrigatória. A gratuidade dos tratamentos é a primeira maneira de abater o muro de separação entre os ricos que podem aceder aos serviços de saúde e os pobres. À falta de poder de compra dos pacientes, deve-se acrescentar um outro factor: a terapia é para toda a vida e é necessária uma fidelidade à mesma. A complexidade dos procedimentos de assistência tem, de qualquer modo, um custo para o paciente. De facto, muitíssimos sujeitam-se a longos percursos para chegarem aos centros e dedicarem algumas horas a essas actividades. Isso tem um preço, pois ninguém recebe ajudas de custo para o transporte e a adesão ao tratamento implica, de facto, a participação activa do paciente, mesmo do ponto de vista económico. No tempo da globalização, perante o desafio da vida em comum, esmagados pelo materialismo, a cultura da gratuidade representa um acto revolucionário que favorece o desenvolvimento social, põe em movimento a cultura da solidariedade, do voluntariado, da cooperação, gera coisas novas para as nossas sociedades”]gratuidade[/tipso]: todos podem aceder porque os tratamentos, os procedimentos de assistência e o diagnóstico são completamente gratuitos. A gratuidade impõe-se por um motivo de equidade e de justiça, mas também porque é um segredo do elevadíssimo grau de adesão, hoje considerado como a verdadeira discriminante de sucesso da terapia.

BENEFITS:

  • Máximos resultados e custos mínimos
  • Um sistema ligeiro
  • baseado em pequenos centros espalhados nos países
  • Abordagem holística
  • Educação à saúde Elevado grau de "retention"
  • Gratuitidade